ÁQUILA, O GÊNIO DO MEDALHÃO (Capítulo IV)

Na manhã do dia seguinte, após ter confiado o medalhão a Genésio, Aurélio voltou para casa, montado em Respiro. A propósito, apenas os três mestres desapareceram. Respiro continuou com Aurélio para dar-lhe sorte e garantir-lhe a vitória.

A confiança de Aurélio crescia com o passar dos dias, e a vitória tornou-se uma certeza em seu coração.

Na véspera do torneio, porém, Áquila foi procurá-lo para dizer:

– Aposto que aquele covarde não teve a decência de lhe contar o que aconteceu.

Confuso com a inesperada aparição de Áquila, Aurélio balbuciou:

– O que houve? Não pensei que pudéssemos tornar a nos ver.

– Nem eu, tampouco. A necessidade de falar-lhe deve ter me atraído para cá. Ouça bem, porque não sei de quanto tempo disponho: Genésio não seguiu as suas recomendações. Entregou-se a todo o tipo de extravagâncias. Quem o conhecia pobre admirou-se com sua fortuna repentina… Boatos se espalharam… Pessoas estranhas começaram a se apresentar como amigos… Deslumbrado com a consideração que outrora não lhe devotavam, ele se deixou enganar… Conduziram-no a uma taverna; convidaram-no a beber até que não lhe restasse uma gota de lucidez e pudessem roubar-lhe o medalhão.

Aurélio, pesaroso e preocupado, perguntou:

– Feriram Genésio?

– Não. E, felizmente, o medalhão não está em mãos perigosas. Ele só foi roubado para que eu executasse um único desejo.

Respirando aliviado, Aurélio declarou:

– Se é assim, não há motivo para nos afligirmos.

Áquila, pausadamente, sentenciou:

– Não haverá, se você fizer o que vim lhe pedir.

Entre surpreso e receoso, Aurélio exclamou:

– A mim?! O que tenho eu a ver com isso?…

Sem olhar para o rosto de Aurélio, Áquila despejou as seguintes palavras:

– O nome dele é Torquato. É o cavaleiro favorito do rei. Ordenou-me que lhe desse a vitória no torneio. Mais do que a mão da princesa, ele ambiciona o trono.

Desorientado, Aurélio exclamou:

– É um absurdo! Você acabou de me dizer que ele não era um criminoso!… Ele mandou roubar o medalhão para forçar a princesa a casar-se com ele, e usurpar o trono!…

– Correção: ele não pretende usurpar o trono. Casando-se com a princesa Miranda, ele será o sucessor legítimo. Torquato está apenas dentro dos padrões de moral da grande maioria das pessoas. A vitória será dele… É exatamente por esse motivo que lhe peço: desista da competição. Posso derrotá-lo em todas as provas. Por favor, não me obrigue a fazer isso.

– O que tem você nas veias: água no lugar de sangue?!… Duvido mesmo que tenha veias!

– De nada adiantará tentar ofender-me. Posso não ser humano, mas garanto que sou feito de um material ainda melhor: invulnerável a sentimentos e emoções pueris.

– Se é assim, faça bom uso de sua invulnerabilidade e acabe comigo amanhã. A propósito, quando sair, leve Respiro com você.

Em tom de provocação, Áquila perguntou:

– Andou treinando o seu burrinho?…

– Não. Com o dinheiro da princesa Miranda, comprei um cavalo tão bom ou, talvez, ainda melhor do que aquele seu cavalo-fantasma.

– Tolo! Menti a você quando disse que Respiro era um fantasma; mas não menti quando disse que ele era o melhor.

Aurélio disse friamente:

– Nada disso faz diferença. Volte para o seu senhor e faça o que a sua consciência lhe disser que tem que ser feito.

– Eu irei, mas não levarei Respiro, porque é a você que ele pertence. Não costumo pegar de volta os presentes que ofereço. Lembre-se de que eu o aconselhei a desistir… Não venha depois culpar-me por sua derrota.

Após um breve silêncio, Áquila acrescentou antes de desaparecer:

– A propósito, não tenho o que você chama de consciência.

FIM DO 4º CAPÍTULO DA HISTÓRIA “ÁQUILA, O GÊNIO DO MEDALHÃO”.
Sisi Marques
08/01/2014

NO PRÓXIMO SEGMENTO, NÃO PERCA A CONTINUAÇÃO DA HISTÓRIA “ÁQUILA, O GÊNIO DO MEDALHÃO”.
Grata,
Sisi Marques

Que os seus sonhos se realizem!

About Sisi Marques

Adoro escrever e amo este blog. As histórias só florescem quando um coração generoso se abre para recebê-las. Quando não há alguém para ouvi-las, elas não desabrocham e morrem na terra do esquecimento. A sua audiência há de transformar este blog num imenso e perfumado jardim. Obrigada.
This entry was posted in ÁQUILA, O GÊNIO DO MEDALHÃO. Bookmark the permalink.

Leave a Reply