ÁQUILA, O GÊNIO DO MEDALHÃO (Capítulo II)

Áquila, o gênio do medalhão, confiou Aurélio a três mestres. Quando Aurélio tomou conhecimento de que eles já eram falecidos, pensou em retroceder; mas, depois de muito meditar, convenceu-se de que o seu receio era infundado.

A surpresa maior, porém, foi saber que o seu cavalo também era um fantasma. Áquila assegurou-lhe de que Respiro, era esse o nome do cavalo, parecia ter nascido para as competições: sempre atento e compenetrado, nos momentos decisivos, entrava em sincronia com o seu dono.

Entretanto, nem todas essas surpresas superaram a emoção que Aurélio sentiu ao segurar, pela primeira vez, a sua espada. Um dos três mestres batizou-a de Facho, e Aurélio fez um juramento solene de usá-la com honradez.

O tempo mostrou a todos, inclusive ao próprio Aurélio, que ele não era tão fraco e inapto quanto julgava ser. A sua necessidade de aprender o impulsionava de modo surpreendente. Sim, agora já não existia em seu peito apenas o simples desejo de vencer; era imperioso vencer, porque ele descobrira que o prêmio seria a mão da princesa Miranda.

FIM DO 2º CAPÍTULO DA HISTÓRIA “ÁQUILA, O GÊNIO DO MEDALHÃO”.
Sisi Marques
29/12/2013

NO PRÓXIMO SEGMENTO, NÃO PERCA A CONTINUAÇÃO DA HISTÓRIA “ÁQUILA, O GÊNIO DO MEDALHÃO”.
Grata,
Sisi Marques

Que os seus sonhos se realizem!

About Sisi Marques

Adoro escrever e amo este blog. As histórias só florescem quando um coração generoso se abre para recebê-las. Quando não há alguém para ouvi-las, elas não desabrocham e morrem na terra do esquecimento. A sua audiência há de transformar este blog num imenso e perfumado jardim. Obrigada.
This entry was posted in ÁQUILA, O GÊNIO DO MEDALHÃO. Bookmark the permalink.

Leave a Reply