O REI ABELARDO E A FADA GLICÍNIA (Capítulo VIII)

Lúcio, quando viu Abelardo retornar, pensou que estivesse sonhando. Sentia-se tão cansado, e não seria exagero dizer que aparentava alguns anos mais velho.

Abelardo, por sua vez, parecia ter remoçado; e, depois de ter abraçado o amigo e conselheiro, comentou que estava satisfeito com o modo que ele havia conduzido tudo durante a sua ausência.

Dois meses depois, Abelardo e Gláucia se casaram. Os dois viveram tão felizes que nunca mais reclamaram do peso de suas coroas.

Quanto a Glicínia, ainda continua protegendo as flores e as pessoas que amam as flores, especialmente, os que amam as gloxínias.

F I M

Sisi Marques
30/11/2013

NO PRÓXIMO SEGMENTO, NÃO PERCA A PRIMEIRA PARTE DA HISTÓRIA “LÁGRIMAS DE AMOR”.

Grata,
Sisi Marques

Que os seus sonhos se realizem!

About Sisi Marques

Adoro escrever e amo este blog. As histórias só florescem quando um coração generoso se abre para recebê-las. Quando não há alguém para ouvi-las, elas não desabrocham e morrem na terra do esquecimento. A sua audiência há de transformar este blog num imenso e perfumado jardim. Obrigada.
This entry was posted in O REI ABELARDO E A FADA GLICÍNIA. Bookmark the permalink.

One Response to O REI ABELARDO E A FADA GLICÍNIA (Capítulo VIII)

  1. Lucia says:

    Sisi, estou aqui me deliciando com a historia O REI ABELARDO E A FADA GLICÍNIA. Que linda! Que lindo eh o amor! Adorei!!! Bjs e um otimo final de semana!

Leave a Reply