O REI ABELARDO E A FADA GLICÍNIA (Capítulo II)

Uma semana depois, Abelardo chamou Lúcio para dizer-lhe:

– Estive pensando… Não quero ser apenas o pálido reflexo de um título, nem tampouco ficar ostentando o brilho apagado de uma coroa. Quero ser respeitado não apenas por ser rei, mas por ser…

Lúcio perguntou demonstrando interesse:

– Quem? Por favor, Majestade, prossiga.

– Infelizmente, ainda não sei. Era você quem deveria me dizer! Não é você meu conselheiro?!

– Perdoe-me, Majestade, por não poder ajudá-lo num momento tão delicado quanto este.

– Pode me ajudar sim, Lúcio; muito mais do que imagina. Pretendo me ausentar por alguns dias, e é apenas em você que confio para ocupar o meu lugar.

FIM DO 2º CAPÍTULO DA HISTÓRIA “O REI ABELARDO E A FADA GLICÍNIA”.
Sisi Marques
25/11/2013

NO PRÓXIMO SEGMENTO, NÃO PERCA A CONTINUAÇÃO DA HISTÓRIA “O REI ABELARDO E A FADA GLICÍNIA”.
Grata,
Sisi Marques

Que os seus sonhos se realizem!

About Sisi Marques

Adoro escrever e amo este blog. As histórias só florescem quando um coração generoso se abre para recebê-las. Quando não há alguém para ouvi-las, elas não desabrocham e morrem na terra do esquecimento. A sua audiência há de transformar este blog num imenso e perfumado jardim. Obrigada.
This entry was posted in O REI ABELARDO E A FADA GLICÍNIA. Bookmark the permalink.

Leave a Reply