A FANTASIA É UMA DOCE MORADA

Hoje saí à minha procura.
E me perdi em um labirinto
Que parecia interminável.

Felizmente, consegui
Encontrar a saída,
E vislumbrei a praia
Que servira de cenário.

A praia estava deserta,
E também não consegui
Localizar o castelo dos reis
Gêmeos: Rodrigo e Ricardo.

Embora Carolina também
Não estivesse presente,
Visitei a floresta, e sentei
À beira do lago, com os pés
Mergulhados na água
Fresca e cristalina.

Foi só então que vi
O meu reflexo.
Eu estive lá
Esse tempo todo.

Eu procurava a paz,
E escolhi o cenário
De uma das histórias
Para me abrigar.

Esta não foi a primeira vez
Que me refugiei nessa paisagem.
Eu vivo fugindo de mim porque
Não suporto o desrespeito
Com que sou tratada.

Eu me obrigo, eu me oprimo,
Eu ignoro as necessidades
Prementes da minha alma.

Eu digo que me amo
Para abrandar a solidão.
Mas, em seguida,
Viro as costas
E me abandono.

Eu corro na direção do vento,
Mas não encontro sustentação
Para as minhas pesadas asas.

Eu fecho os olhos para a realidade,
E acabo vivendo uma ilusão.
A fantasia é uma doce morada,
Que acena incessantemente
Para o meu insensato coração.

Sisi Marques

About Sisi Marques

Adoro escrever e amo este blog. As histórias só florescem quando um coração generoso se abre para recebê-las. Quando não há alguém para ouvi-las, elas não desabrocham e morrem na terra do esquecimento. A sua audiência há de transformar este blog num imenso e perfumado jardim. Obrigada.
This entry was posted in POEMAS ESPIRITUALISTAS. Bookmark the permalink.

Leave a Reply