CIDO, O DESTRUIDOR DE SONHOS

CIDO, O DESTRUIDOR DE SONHOS

Cido não possuía uma espada.
Cido nunca matou um dragão.
Mas, com sua língua afiada,
Cido, impiedosamente, destruía
Os sonhos do coração.

Cido tudo sabia…
Cido tudo previa…
E Cido dizia:
“O seu sonho
Não se realizará.”

Certo dia, eu o encontrei,
E o meu sonho ele quis destruir.
Eis o que ele me disse:
“O seu sonho irá para a fornalha
Onde morrem todos os sonhos.”

Ele tentou me convencer
De que não adiantaria lutar.
Mas o meu coração teria sangrado
Se, dele, o meu doce sonho
Tivesse sido arrancado.

E Cido não sabia que o coração,
Quando ama os seus sonhos,
Zelosamente os protege
E acredita que a esperança
Só deixará de existir,
Quando ele parar de bater.

E Cido também não sabia
Que um presente ele me daria:
Um poema para fortalecer
O que ele tentou destruir.

Sisi Marques

About Sisi Marques

Adoro escrever e amo este blog. As histórias só florescem quando um coração generoso se abre para recebê-las. Quando não há alguém para ouvi-las, elas não desabrocham e morrem na terra do esquecimento. A sua audiência há de transformar este blog num imenso e perfumado jardim. Obrigada.
This entry was posted in POEMAS QUE CONTAM HISTÓRIAS. Bookmark the permalink.

2 Responses to CIDO, O DESTRUIDOR DE SONHOS

  1. Alessandra says:

    Sisi, é de arrepiar como esse poema nos faz refletir sobre as más línguas, mais afiada que espada! beijos, adorei!

  2. Marilda Lindquist Franco says:

    Você trabalha melodicamente os versos, mostrando, de forma suave, mas enfática, que podemos mandar uma mensagem crítica de forma direta, sem ser rude. Parabéns! Você está se igualando a grandes escritores de cantigas satíricas.

Leave a Reply