ARMANDINHO VALORIZOU SUA VIDA

Armandinho possuía um comércio;
Mas estava perdendo a freguesia,
Porque não conseguia tratar
As pessoas com cortesia.

Os fregueses o enlouqueciam
Com suas reclamações costumeiras;
Os vendedores o aborreciam
Porque desejavam sempre
Que ele comprasse mais e mais
Produtos que ficariam
Estocados nas prateleiras.

Os produtos perderiam a validade,
E Armandinho já havia perdido
A paciência que nunca tivera.
Não; paciência ele tinha porque,
Se não tivesse, já teria se separado
De sua esposa Mariazinha.

Mariazinha reclamava de tudo
E não gostava de ajudá-lo
Na mercearia, que ficava
Ao lado da casa onde moravam.

Um dia Armandinho pensou:
“Se eu quiser parar de sofrer,
Terei que me acalmar.
Mas como posso me acalmar,
Se os fregueses sentem
Prazer em me irritar?!…”

Trocar de esposa,
Ele também não podia;
E Mariazinha vivia
Irritando-o, irritando-o,
Irritando-o sem parar.

Armandinho caiu no desânimo
E perdeu o amor pela vida.
Mas, certo dia, ele teve um sonho
Que lhe deu nova perspectiva.

Ele sonhou que a mercearia nunca existira.
E sonhou que Mariazinha não mais o aborrecia,
Porque se encantara por outro e o abandonara.

Em seu sonho, ele estava desempregado;
E saía todos os dias para procurar trabalho.
E, sem Mariazinha, sua vida perdera o sentido.

Quando Armandinho acordou
E viu Mariazinha dormindo
Tranquilamente ao seu lado,
Ele sorriu e a abraçou.

Depois que Armandinho teve esse sonho,
A sua vida se modificou, e ele parecia
Outro homem: sorridente e gentil,
Novos fregueses, ele conquistou.

E Mariazinha passou a ajudá-lo com alegria.
A prosperidade o abraçou, e ele aprendeu a tratar
Os fregueses antigos e os vendedores com cortesia.
E nunca mais reclamou que as pessoas o aborreciam.

Sisi Marques

About Sisi Marques

Adoro escrever e amo este blog. As histórias só florescem quando um coração generoso se abre para recebê-las. Quando não há alguém para ouvi-las, elas não desabrocham e morrem na terra do esquecimento. A sua audiência há de transformar este blog num imenso e perfumado jardim. Obrigada.
This entry was posted in POEMAS QUE CONTAM HISTÓRIAS. Bookmark the permalink.

Leave a Reply