O PRÍNCIPE GERVÁSIO E A GAIOLA DOURADA (Parte 12)

Embora surpreso com a visita de Leôncio, o príncipe Gervásio evitou qualquer comentário.

Leôncio, seguindo o seu exemplo, limitou-se a cumprimentá-lo.

Ambos procuravam ignorar o clima de hostilidade e desconfiança que pairava no ar.

Luciano não deixou a sala e permanecia atento.

Leôncio tencionava ser breve. Disse:

– Vim pedir-lhe que me devolva os documentos que Luísa entregou-lhe, na esperança de que você os assinasse. Se não quiser entregar-me a doação, passe-me apenas a anulação do casamento. Posso ter sido um tolo em acreditar que você me entregaria a sua fortuna, mas você foi igualmente tolo ao pensar que eu desistiria de Luísa.

As palavras de Leôncio confundiam o raciocínio do príncipe: era por esse motivo que ele permanecia calado, procurando compreender o que se passava.

Leôncio prosseguiu:

– Luísa e eu já esperamos tempo demais.

O príncipe perguntou:

– Por que insiste apenas na anulação, se pode ter os dois? Não mandei preparar aqueles documentos por simples capricho: se deseja o amor de Luísa, terá que aceitar a doação.

Confuso e, ao mesmo tempo, satisfeito, Leôncio disse:

– Suponho que irá impor condições. Estou ouvindo…

– A condição já foi estabelecida: o seu casamento com Luísa. O que mais espera que eu diga?… Pensei que os termos estivessem claros.

– E estão.

Sem conseguir compreender o verdadeiro motivo da visita inesperada de Leôncio, Gervásio perguntou intrigado:

– Então, qual é o problema?

Começando a impacientar-se, Leôncio aventurou-se a dizer:

– Nada poderá ser feito, enquanto esses documentos estiverem em suas mãos.

Com certa hesitação, o príncipe declarou:

– Eles não estão em meu poder.

Leôncio, começando a erguer o tom de voz, disse:

– Não creio que os tenha destruído. Talvez, Luciano os tenha guardado em algum cofre. Com um pouco de persuasão, ele conseguirá se lembrar.

Com o olhar altivo, o príncipe ordenou:

– Deixe Luciano fora desse assunto. Você espera que eu lhe devolva os documentos que Luísa pediu-me que assinasse?…

– Exato.

– E se eu me recusar?

– Se não me entregá-los amanhã, até o meio-dia, jamais tornará a ver Luísa… Eu a levarei para bem longe daqui, e ela será minha. Mandaremos você e a sua fortuna para o inferno.

– E o que acontecerá quando os documentos chegarem às suas mãos?

– Luísa e eu marcaremos a data do casamento. Você deve estar se perguntando o que será de você quando sair daí. Não pensou que o deixaríamos desamparado?… Você poderá escolher as propriedades que desejar. Você verá que, no final, tudo acabará bem.

Gervásio, calado, ponderava as palavras que ouvia. Leôncio, por sua vez, sentindo-se dono da situação, acabou confessando:

– Gostaria que soubesse: entreguei algumas moedas de ouro ao encarregado de obras em troca da cópia da chave da gaiola. Após o meu casamento com Luísa, poderei tirá-lo daí sem demora.

O príncipe não conseguiu evitar a pergunta:

– Posso saber por que razão desejou ter uma cópia da chave?

Leôncio respondeu:

– Eu temia que a gaiola tivesse sido construída para Luísa, e pensei que seria um modo de protegê-la, de ajudá-la a fugir, se necessário.

O príncipe, para encerrar a conversa que lhe parecia interminável, jogou-lhe uma contraproposta:

– Preciso de um pouco mais de tempo para pensar… O assunto que tratamos aqui é delicado demais para ser resolvido em poucas horas. Peça a Luísa para falar comigo; preciso saber o que ela pensa a respeito de tudo isso, antes de chegar a uma decisão.

Leôncio lançou-lhe um olhar desconfiado, mas não ousou dizer nada. Também preferia que aquela reunião terminasse ali. Considerava que havia feito progresso.

(No próximo segmento, não perca a 13ª Parte da história “O Príncipe Gervásio e a Gaiola Dourada”.)

Grata,
Sisi Marques

Que os seus sonhos se realizem!!!

About Sisi Marques

Adoro escrever e amo este blog. As histórias só florescem quando um coração generoso se abre para recebê-las. Quando não há alguém para ouvi-las, elas não desabrocham e morrem na terra do esquecimento. A sua audiência há de transformar este blog num imenso e perfumado jardim. Obrigada.
This entry was posted in O PRÍNCIPE GERVÁSIO E A GAIOLA DOURADA. Bookmark the permalink.

Leave a Reply