A RAINHA DE ESPERANÇA (Capítulo XXXV)

Na manhã seguinte, Natanael levantou cedo e desceu esperando encontrar o seu pai na sala de refeições. O rei Natalício ainda não havia descido; mas Constância, o príncipe Alfredo e a rainha Adelaide já estavam sentados à mesa. Adelaide comentou:

– Embora eu não tenha sido convidada, terei prazer em acompanhá-los à cidade.

Alfredo, Constância e Adelaide continuaram conversando, mas Natanael não estava interessado no que diziam. Durval aproximou-se, cumprimentou a todos e sentou-se ao lado de Natanael.

O rei Natalício desceu em seguida. Natanael decidiu primeiro falar com Durval. Disse:

– Termine a sua refeição; eu o esperarei no escritório. Não demore porque o que eu tenho a lhe dizer é muito importante.

Antes que Natanael se afastasse, o rei Natalício perguntou desconfiado:

– O que você tem a tratar com Durval que requer tanta urgência?

Natanael respondeu:

– O senhor logo saberá.

Durval levantou-se e acompanhou Natanael.

Quando os dois entraram no escritório, Natanael despejou as palavras:

– Eu pedi Catarina em casamento, e ela aceitou. Está decepcionado?…

Sorrindo, Durval exclamou:

– Não!… Mas confesso que estou surpreso!… Ela não comentou nada ontem.

Natanael explicou:

– Tudo aconteceu inesperadamente. Eu estava sem sono e desci. Fui à biblioteca, e ela estava lá. Nós conversamos sobre Constância e também sobre você. Eu só espero que ela não tenha mudado de ideia. Natália presenciou o beijo que trocamos, e aprova a nossa união. Agora terei que enfrentar o meu pai.

Ainda sorrindo, Durval disse:

– Fico feliz por vocês. Meus parabéns!

Durval abraçou Natanael e deixou o escritório quando viu o rei Natalício entrar.

Natanael, ainda radiante com a sinceridade que havia emanado do cumprimento de Durval, encorajou-se a perguntar a seu pai:

– O senhor não vai me dar os parabéns? Eu resolvi assumir o amor que sinto por Catarina.

Confuso, o rei Natalício perguntou:

– Você e Catarina?!… Era por esse motivo que Durval o estava felicitando?!… Ele só pode ter mentido a você que se conformaria em perdê-la. Além disso, Catarina não veria com bons olhos essa sua resolução. Foi você quem me ajudou a compreender que ela realmente ama esse rapaz. Você não pode agora, simplesmente, pedir a ela que desista desse amor por um capricho do seu coração. Você pensa que ama Catarina, e não percebe que o seu destino está ligado a Constância. Se eu fosse você, chamaria Durval, antes que ele tivesse a oportunidade de falar com Catarina, e diria a ele que tudo não passou de um teste para avaliar sua lealdade.

– O senhor não compreendeu: amo Catarina e me casarei com ela.

– Pelo seu próprio bem, você não fará isso, porque esse amor jamais será correspondido. Eu não quero apenas que você se case; eu desejo que você seja feliz.

Servindo-se das palavras de seu pai, Natanael ousou dizer:

– Se é desse modo que pensa em relação a mim, deveria desejar o mesmo em relação a Natália: ela jamais será feliz ao lado de Alfredo porque ela ama Durval.

Abanando a cabeça em sinal de discordância, o rei Natalício afirmou:

– Isso não é verdade. E, mesmo que fosse, esse rapaz está apenas interessado em Catarina.

Natanael revelou:

– Durval ama Natália. Ele se aproximou de Catarina apenas com a intenção de protegê-la.

O rei Natalício exclamou:

– Agora só falta você me dizer que Catarina ama você e não Durval! Não me venha com essa história! Pare de entregar-se a devaneios!

Natanael perguntou:

– Por que é tão improvável que Catarina possa me amar?

– Porque foi você mesmo quem conseguiu me convencer de que ela amava Durval. O assunto está encerrado. Eu já decidi: um dia depois do casamento de Alfredo e Natália, Durval se casará com Catarina, e os quatro partirão para Boa-Venturança.

– O senhor não decidiu coisa alguma! Eu me caso com Catarina, Durval se casa com Natália, e assunto encerrado.

– Você enlouqueceu! Eu ainda sou o seu pai e o rei de Natal. Não aceito questionamentos e desobediências. Natália se casa com Alfredo; Durval se casa com Catarina; você se casa com Constância; e ponto final.

Natanael calou-se ao perceber o quanto o seu pai estava exaltado. Ele deixou o escritório e trancou-se em seu quarto.

FIM DO CAPÍTULO XXXV

Sisi Marques

(NO PRÓXIMO SEGMENTO DA HISTÓRIA “A RAINHA DE ESPERANÇA”, NÃO PERCA O 36º CAPÍTULO.)

Grata,
Sisi Marques

About Sisi Marques

Adoro escrever e amo este blog. As histórias só florescem quando um coração generoso se abre para recebê-las. Quando não há alguém para ouvi-las, elas não desabrocham e morrem na terra do esquecimento. A sua audiência há de transformar este blog num imenso e perfumado jardim. Obrigada.
This entry was posted in A RAINHA DE ESPERANÇA. Bookmark the permalink.

Leave a Reply