FLÁVIA E DOUGLAS (Capítulo XXX)

No dia seguinte, à tarde, Lucas foi à casa de Flávia. Ela saiu para recebê-lo e disse surpresa:

– Quando a campainha tocou, pensei que fosse Douglas. O que veio fazer aqui?

– Não vai me convidar para entrar?

– Não. Por favor, Lucas, vá embora. Eu não quero que Douglas o veja aqui. Eu já brinquei demais com os sentimentos dele.

– Flávia, pare de ficar olhando para o relógio, porque ele não virá.

– Virá sim. Douglas nunca faltou a um encontro. Pode ir tirando do rosto esse seu sorrisinho de vitória. Você bebeu antes de vir para cá?

– Se alguém a ouvisse falar desse jeito, pensaria que vivo me embriagando. Você sabe que foi só aquela vez e também não desconhece o motivo.

– Você não bebeu nem um pouquinho?… Você está tão diferente!… Parece mais solto, descontraído… Douglas nunca se atrasou tanto. Você acha que pode ter acontecido alguma coisa?

– Se está tão preocupada com ele, por que não telefona para a casa de Elaine? Talvez ela saiba onde ele está. Posso ficar aqui, do lado de fora do portão, esperando?…

Flávia não respondeu, mas aceitou a sugestão de Lucas. Quando ela retornou, disse:

– Estranho. O pai dela atendeu e disse que ela havia saído com Douglas.

– Está com ciúmes?

– Ele é meu noivo… Ele não tinha o direito de fazer isso comigo justo hoje.

– A minha presença a incomoda mais do que o fato de Douglas ter ido ao cinema com Elaine?

– Quem disse que eles foram ao cinema?!… Você parece estar aqui só para me aborrecer! Por que veio, Lucas?

– Quer que eu vá embora?

– Quero.

– Terá que dizer isso olhando nos meus olhos.

– O que está tentando fazer? Não pense que conseguirá me convencer a desistir do meu noivado com Douglas novamente. Ele logo estará aqui. Elaine deve ter pedido a ele para acompanhá-la a algum lugar; ele já deve estar chegando. Se eles fossem demorar, ele teria me avisado.

– Por que você está tão nervosa, Flávia? Eu sei que você ainda me ama e sei também por que ontem você pensou em desistir do nosso amor.

– Aposto que não sabe.

– Você se aborreceu por causa de um telefonema.

– Como você ficou sabendo? Que pergunta idiota a minha! Hortência já deve ter retornado, bombardeando você com suas insinuações. Você não deveria estar aqui. Vá embora, Lucas! Volte para a sua esposa e me deixe em paz!

– Eu nunca mais voltarei para Hortência. Eu saí do apartamento antes que ela retornasse. Talvez ela ainda nem saiba que eu a deixei.

– Eu não acredito.

– Eu já menti para você?

– Não. Mas isso é muito bom para ser verdade.

– Não quer caminhar um pouco?

– Não. Eu vou continuar aqui, esperando Douglas chegar.

– Eu já lhe disse que ele não virá. Ele convidou Elaine para sair apenas para que você parasse de usá-lo para se esconder de mim.

– Você não sabe o que está dizendo.

– Foi o próprio Douglas quem disse isso durante o almoço. Eu estou morando na casa dele, Flávia. Não me envergonho de dizer que, se não fosse por ele, eu ainda estaria naquele apartamento.

– Se isso é uma brincadeira, fique sabendo que é de péssimo gosto.

– Não é uma brincadeira. Não está feliz por eu ter deixado aquele apartamento?

– Feliz?!… E por que eu estaria?

– Flávia, eu não compreendo… Será que foi tudo em vão? Você gostaria que Douglas estivesse aqui no meu lugar?

– Douglas!… Eu não quero vê-lo nunca mais! Pensei que eu pudesse confiar nele. Quando foi que vocês conversaram?

– Ontem à noite.

– Está me dizendo que Douglas, depois que me deixou em casa, foi procurá-lo?

– Sim. Conversamos muito e, por fim, ele acabou me convencendo de que era preciso agir, se eu não quisesse perder você. Está preocupada com a reação de Hortência?

– Lucas, a sua saída do apartamento não significou nada… Ela o ameaçará como fez das outras vezes para obrigá-lo a voltar; e você, para poupar-me, acabará cedendo.

– Preste atenção: quando Hortência chegar hoje à noite, não me encontrará e não poderá fazer absoltamente nada, porque ela não sabe onde estou morando. Ela terá que esperar até segunda-feira para falar comigo no escritório; e até lá ela já estará bem mais calma, porque já terá tido tempo para refletir. Douglas acredita que, se Hortência tiver que descontar sua raiva em alguém, será em mim e não em você.

– Seria tão bom se Douglas se apaixonasse por Elaine!

– Não está mais zangada?

– Zangada?!… Hoje é o dia mais feliz da minha vida! Eu te amo tanto!…

(Não perca, no próximo segmento, o 31º CAPÍTULO da história “FLÁVIA E DOUGLAS”.)

Grata,
Sisi Marques

About Gilberto Marques

Gosto muito dos textos que minha esposa escreve e, por esse motivo, decidi criar este blog para poder compartilhá-los com você, querido(a) leitor(a).
This entry was posted in FLÁVIA E DOUGLAS. Bookmark the permalink.

Leave a Reply