SERAFIM E A BRUXA LINDALVA (Parte 2)

Serafim e a Bruxa Lindalva

Dois dias antes do casamento de Serafim e Júlia, Lindalva colocou em ação seu plano doentio.

Após transformar seus quatro corvos em homens, ordenou-lhes que capturassem Serafim. Os corvos entraram sorrateiramente na fazenda e, além de capturarem Serafim, apanharam também todos os seus pertences, para dar a impressão de que ele havia fugido para não se casar.

Júlia, decepcionada, viu-se obrigada a avisar os convidados de que o casamento e a festa seriam cancelados, porque o noivo havia desistido de se casar. Estava convencida de que tinha sido a timidez que o fizera recuar. Ainda assim, ficava repetindo a si mesma que ele não precisava ter abandonado o emprego; bastaria ter sido sincero, e o compromisso estaria desfeito. A verdade era que Júlia não conseguia se conformar e sofria com a ausência de Serafim.

Enquanto isso, Lindalva, considerando-se muito esperta, comemorava a vitória que tivera com uma refeição bem farta. Serafim, preso em uma gaiola, recusava-se a comer. Lindalva insistia:

– Prove só um pouquinho; não pode ficar sem comer.

Serafim respondeu:

– Não tenho fome. Tudo o que quero é ir embora.

Olhando-o com ar de provocação, Lindalva disse:

– Esqueça! E nem pense em fugir, porque não conseguirá. Construí essa gaiola especialmente para você. Não há como escapar.

Nervoso e, ao mesmo tempo, intrigado, Serafim perguntou:

– Por que está fazendo isso?! O que quer comigo? Não tenho dinheiro, não tenho nada para lhe oferecer!

– Case-se comigo, Serafim; é só isso que lhe peço.

– Ficou maluca?! Estou comprometido com Júlia!

– Esqueça aquela mulher! Se o pai dela pode torná-lo rico, também posso. Faça um teste: pode pedir o que quiser.

– Receio que você não tenha compreendido bem a minha posição. Amo Júlia, e é só por esse motivo que desejo me casar com ela.

As palavras de Serafim enfureceram Lindalva, e ela começou a ameaçá-lo, cantando:

– “Serafim, este é o seu fim; Serafim, este é o seu fim…”

Enquanto cantava, ela estendia os braços e pensava nos vários feitiços que conhecia para liquidá-lo, mas nenhum deles surtia efeito. O amor que sentia por Serafim era tanto que o deixava imune à sua maldade. Cansada, Lindalva exclamou:

– Não consigo matá-lo! Terei que pensar em algo mais ameno. Vou transformá-lo em um bicho qualquer; assim você não poderá se casar com Júlia.

Depois de olhar para a sua exótica ave vermelha, Lindalva acrescentou:

– Vou transformá-lo na ave que melhor combinar com você. Nem imagino que ave possa ser! Só espero que, pelo menos isso, funcione!

Serafim permanecia calado. Não acreditava que Lindalva pudesse transformá-lo numa ave, ou no que quer que fosse! Pensava em Júlia; teria que encontrar um meio de sair dali para vê-la.

Serafim bateu as asas e começou a voar.

Asas?!… E não é que Lindalva conseguiu mesmo transformá-lo numa ave!…

Procurando manter-se calmo para não perder o equilíbrio nessas suas primeiras lições de voo forçadas, Serafim conseguiu passar pelo vão da grade da gaiola.

Lindalva ainda tentou segurá-lo; mas uma janela aberta assegurou-lhe a fuga. Em poucos minutos, Serafim, transformado em rouxinol, havia conquistado sua liberdade.

(Não perca, no próximo domingo, dia 16/06/13, a 3ª Parte da história “Serafim e a Bruxa Lindalva”.)

Até breve.

Sisi Marques

About Sisi Marques

Adoro escrever e amo este blog. As histórias só florescem quando um coração generoso se abre para recebê-las. Quando não há alguém para ouvi-las, elas não desabrocham e morrem na terra do esquecimento. A sua audiência há de transformar este blog num imenso e perfumado jardim. Obrigada.
This entry was posted in SERAFIM E A BRUXA LINDALVA. Bookmark the permalink.

Leave a Reply